Saúde Mental e o “fitness cerebral” que chamamos de meditação

Postado em 29 de julho de 2020

Como a meditação pode ajudar?
É datada de mais de 5 mil anos a primeira evidência documental desta prática.
Meu papel aqui não é me aprofundar em informações técnicas, mas sim inspirar para este exercício, para o autoconhecimento e uma mudança de atitude que possa ser um caminho de autocuidados e aumento de consciência.
As coisas simples nem sempre são de fácil execução. O exercício da meditação, diferente do que muitos pensam, é uma prática simples, mas que depende de uma constância e eficácia para que o praticante sinta o resultado mais almejado, chamado de “estado meditativo”.
Praticamos os exercícios meditativos para alcançarmos o estado meditativo.
A cada prática, o iniciante vivencia um instante desta experiência, como um flash de luz na escuridão da mente, que vive ocupada com um emaranhado de pensamentos.
A constância da prática meditativa possibilita mais tempo de claridade mental com menor quantidade de pensamentos, o que abre espaço para estados contínuos de consciência plena, alerta.
Na busca desta experiência, no entanto, outros hábitos saudáveis vão sendo conhecidos e construídos. Um bom exemplo são alguns hábitos alimentares saudáveis, de sono reparador, melhoria nas relações afetivas, que são alguns dos “efeitos colaterais” de quem adere ao novo hábito da prática de exercícios de meditação.
A meditação é um exercício simples e milenar que vem literalmente trazendo consciência e saúde para pessoas de todas as idades.
Os profissionais da área da saúde têm descoberto nesta prática uma ferramenta bastante eficiente para indicar aos seus pacientes que querem estabelecer um estado saudável e não apenas cuidar das doenças.
Com muitas pesquisas científicas ao redor do globo, a meditação deixou de ser atividade praticada apenas pelas culturas orientais ou por práticas religiosas.
Exercícios meditativos ganharam o mundo, e o mundo está ganhando com isso.
Exercitar o cérebro é também exercitar o corpo. Corpo, mente, emoções, são todos conectados e são partes deste corpo humano incrível.
Aprendendo a relaxar e ter controle sobre a atenção e concentração, a meditação é mais que uma simples ferramenta, mas sim uma forma de agir, de se comportar, de sentir, de ser: ser humano e ser saudável.
“Mindfullness”, um termo que vem sendo incorporado em nossa linguagem e significa “atenção plena”, deixou o mundo ocidental mais preparado para a prática meditativa, já que é uma condição para a meditação.
Muitas pessoas perdem a sua saúde por motivos de ansiedade, stress e por reações emocionais disfuncionais. A epidemia de depressão, pânico e a piora nos quadros de doenças e transtornos mentais é evidente. Uma atitude pessoal de cuidados com a saúde física e mental é essencial e é urgente.
Tomar consciência é preciso: consciência de gerar condições para manter a saúde; consciência de gerar autocuidados para a cura de doenças e condições existentes; consciência de inspirar e ajudar os que estiverem ao seu alcance; consciência para expandir seu alcance; cuide primeiro de si mesmo para então poder cuidar de quem está próximo.
A prática meditativa traz benefícios mensuráveis e observáveis desde as primeiras experiências.
Experimente e vivencie para ter suas próprias conclusões.
Indicação de leitura para início da prática: A arte da Meditação, de Daniel Goleman.

Por: Bell Ribeiro
Psicóloga clínica e palestrante;
Educadora física especializada no Treino da Inteligência Emocional, Corporal e Afetiva com Yoga do Riso, Dança Terapêutica e Meditação Ativa;
Compõe a coordenação da Maturidade Ativa UNIACON – Universidade Aberta dos Condomínios.
www.happinessbr.com

Compartilhar

Tags

Outros Posts