Paisagismo: como usar na decoração

Postado em 22 de outubro de 2018

Deixar nossos lares verdadeiramente aconchegantes é um dos melhores investimentos que podemos fazer por nós mesmos, por nossas famílias e convidados. Há muitas maneiras de conquistar isso. O paisagismo, por exemplo, é uma delas. Um projeto paisagístico é um ato que visa obter com vegetações soluções dotadas de praticidade e beleza.
Buscando entender e sentir a beleza que existe na forma pura e simples da natureza, a presença de plantas, além de deixar tudo mais charmoso, traz uma série de benefícios. Por exemplo, é possível deixar a temperatura mais baixa e fresca, o ar mais úmido e até nosso humor sofre alterações positivas: ficamos mais tranquilos e felizes.
Uma condição essencial para a correta escolha do tipo de vegetação que vamos utilizar passa necessariamente pelas características de luminosidade do local. Cada planta possui uma condição de luminosidade, irrigação e adaptabilidade aos fatores climáticos de um ambiente interno.
Os profissionais da área de paisagismo são fundamentais para orientar quais são as melhores opções para o habitat que vamos incorporar à vegetação.
A busca constante pelo equilíbrio e bom senso são indispensáveis também na escolha correta do formato e dimensão das plantas em relação ao ambiente de inserção.
Podemos compor jardins de inverno com cobertura, ou não, sempre que dispormos de espaço físico para isso. Em outras situações pode-se compor com pequenos arbustos estrategicamente localizados dentro do espaço que queremos decorar. Arranjos florais e folhagens são sempre bem-vindos, pois acrescentam beleza com suas cores e transmitem vivacidade ao ambiente.
Vejamos alguns exemplos de plantas que se adaptam aos ambientes internos:
Pau d’água: bastante resistente a ambientes com ar-condicionado. Usado em decoração com vasos. Pode ser utilizado em residências e também em escritórios.
Zamioculca: pode ser regada somente uma vez por semana e se adapta bem em ambientes com ou sem luz. Muito utilizada em locais internos por não precisar de constantes cuidados.
Palmeira Chamaedórea: com dimensão máxima de 2 metros de altura, é largamente usada. Adapta-se a lugares úmidos e sem exposição direta ao sol. O cuidado passa pela rega constante para manter a terra úmida.
Palmeira Ráfis: qualquer tipo de iluminação serve para sua adaptação. A rega deve ser constante.
Lança de São Jorge: com visual ornamental, é uma planta bastante resistente. Pode ser utilizada em diversas composições, desde vasos até em pedras. Sua irrigação deve ser espaçada a cada 15 dias sem molhar as folhas. Deve ser mantida a meia sombra.
Lírios da Paz: floresce na sombra. Ele necessita de luminosidade, adubo e solo úmido.
Violeta: uma das mais utilizadas. Variedade de cores que permite diferentes composições em pequenos vasos. Não pode ficar exposta diretamente à luz e necessita de duas regas por semana.
Palmeira Areca: muito popular e vastamente utilizada. Pode ser cultivada diretamente sob a luz do sol. Irrigar regularmente, e não expor ao ambiente com ar-condicionado.
Bromélia: o contraste de cor das folhas é seu diferencial. Outra planta bastante utilizada. Luz direta queima suas folhas, portanto melhor permanecer a meia luz. A irrigação ocorre a cada dois dias.

Vilma Rodrigues Alves
Paisagista formada pela Escola Paulista de Paisagismo
Proprietária da Via Flores – Estrada de Santa Isabel, 2.080 – Vila Pedroso.
(11) 4654-4151
(11) 96480-3793

Compartilhar

Tags

Outros Posts