Melasma: um distúrbio pigmentar da pele

Postado em 2 de julho de 2019

O melasma é um distúrbio pigmentar da pele, muito prevalente na população mundial, que acomete ambos os sexos, sendo mais comum nas mulheres. Caracteriza-se por manchas amarronzadas, assintomáticas, localizadas principalmente na face, mas também podendo atingir braços, pescoço e colo, áreas comumente expostas ao sol.
O seu principal fator desencadeante é a exposição solar, mas hereditariedade e fatores hormonais como uso de pílulas anticoncepcionais ou adesivos a base de estrógeno, bem como gestação, também contribuem para o seu aparecimento.
Algumas tecnologias, como o laser fracionado utilizado em altas potências, podem piorar a mancha. Fontes de luz artificial, como lâmpadas, luz do computador, tablets e celular também podem contribuir para sua piora.
O clareamento do melasma depende muito da disciplina do paciente e também da localização do pigmento na pele. Esse pode estar distribuído em camadas mais superficiais da pele (epiderme) ou em camadas mais profundas (derme). Quanto mais superficial é o depósito do pigmento, melhor é a resposta ao tratamento, com consequente clareamento das manchas.
Existem inúmeras formas de tratar o melasma, mas o sucesso depende do acompanhamento dermatológico regular e da conscientização do paciente quanto aos fatores de prevenção.
A proteção à exposição solar é chave fundamental para o sucesso do tratamento. É recomendado filtros com FPS acima de 50, preferencialmente com cor e que seja reaplicado pelo menos 1 vez ao longo do dia. Uso de bonés, chapéus, óculos escuros também fazem parte do arsenal de proteção solar, bem como o uso de antioxidantes orais.
Cremes a base de substâncias clareadoras e ácidos podem ser mesclados para uso domiciliar.
No que diz respeito a procedimentos possíveis, encontramos uma série de opções, que são individualizadas caso a caso. Entre eles podemos citar sessões de peelings químicos, microagulhamento com ou sem infusão de ativos clareadores, laser ND Yag Q-switched, entre outros.
Mesmo sendo uma condição que ainda não se tem cura, o melasma tem tratamento e, quando realizado de maneira correta, obtém-se resultados muito interessantes no seu clareamento. Procure o seu dermatologista.

Por: Dra. Gabriela Capareli
CRM: 131.079 / RQE: 50304
Dermatologista com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia
formada pela Universidade Federal Fluminense
Especialista em Clínica Médica e Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Compartilhar

Tags

Outros Posts