Diverticulite: o que é, quais são os sintomas e como é o tratamento

Postado em 18 de março de 2020

Divertículos são pequenas saculações ou bolsas que surgem através de pontos de fraqueza na parede do intestino grosso. Esses pontos de fraqueza são orifícios por onde entram e saem vasos sanguíneos.
Essas bolsas são resultado do provável aumento da pressão dentro do intestino, que forçaria a saída de mucosa através de pequenas falhas na parede (mucosa é a camada interna do intestino). Essa pressão seria causada por dietas pobres em fibras e água, associada a outros fatores como: perda de função do colágeno com a idade e maus hábitos como “segurar” gases e evacuação, além de causas genéticas. Ainda muito se questiona sobre os motivos do surgimento desta doença.
Os ocidentais, homens ou mulheres acima dos 60 anos são igualmente afetados. Muitas vezes é uma doença sem sintomas e encontrada durante pesquisa de outras moléstias.
Os divertículos sem complicações são chamados de diverticulose e podem apresentar-se com evacuações ora diarreicas ora endurecidas, assim como excesso de gases.
Quando os divertículos inflamam surge a diverticulite. Essa doença promove queda do estado geral, febre, estufamento e dores no abdome (no “pé da barriga” a esquerda, local mais comum), pois o segmento mais acometido do intestino grosso fica nessa parte do abdome.
A colonoscopia é o exame correto para o diagnóstico fora da crise; já a tomografia de abdome é o mais adequado para a diverticulite.
O tratamento da diverticulose depende da fase em que a doença se encontra e pode ser classificado: sem sintomas (não impõe qualquer tratamento na maioria das vezes);
Com sintomas (ingestão de dieta rica em fibras, aumento do consumo diário de água – 2 a 3 litros).
Na presença de diverticulite, o tratamento pode envolver apenas uso de antibióticos, orientação dietética, desta vez dieta líquida e sem fibras, além de repouso. Poucas vezes pode exigir internação com tratamento clínico ou cirúrgico (casos de perfuração intestinal). Cabe ao médico indicar a cirurgia durante a internação, ou após melhora clínica.
As demais complicações dos divertículos no intestino grosso são: sangramento intenso nas evacuações ou obstrução do intestino, que pode ocorrer após seguidos episódios de diverticulite.
Não está proibida a ingestão de sementes ou frutas secas, como se acreditava no passado.
De maneira geral, os bons hábitos alimentares e atividades físicas estimulam o bom funcionamento intestinal.
Lembre-se que eliminar gases e não segurar as fezes contribui para a diminuição da pressão dentro do intestino e consequentemente evitar diverticuloses.

Por: Dr. Paulo Fernando Camelo Nunes
CRM 66224
Mestre em cirurgia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo
Especialista em videolaparoscopia pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica
Contato: 4858-1081 / 3502-6200

Compartilhar

Outros Posts