A disposição de caminhar lado a lado

Postado em 14 de dezembro de 2018

Resiliência – palavra relativamente nova nos nossos dicionários internos, e o que ela significa mesmo? Força, coragem, vigor e, às vezes, nem sabemos ao certo o seu significado. Será que tenho que aceitar a tudo como uma fortaleza? Ou, até mesmo, será um pré-requisito para o sucesso? Eu preciso superar qualquer obstáculo, por que só assim serei forte!? Será?
Quase sempre a pessoa procura um terapeuta ou diz para si mesma: Eu não consigo aguentar tanta injustiça e tanta falta de ternura, visto que não sei ser resiliente. Como fazer? Será que só sendo resiliente vou conseguir vencer?
Precisa ser forte e, em seguida, se pega chorando, deprimida e triste. Será que sou muito mimada, ou então, sou fraca?
E aí, no meio deste turbilhão, descobre-se a resiliência. Não é ser um saco de pancadas, que aguenta tudo em qualquer situação, como se isso fizesse parte do seu crescimento emocional, psíquico e individual. É quando entendemos que há batalhas que não se tem que enfrentar, e fazer essa escolha não é um fracasso. Muito pelo contrário: é resiliência, conhecendo os seus limites e valores, os quais precisam ser respeitados.
Esse termo chegou ao Brasil ligado à ideia de conformismo. Pelo contrário, ser resiliente é muito mais a capacidade de enfrentar as adversidades e os percalços da vida de uma maneira diferente, acreditando que através dessa dor pode surgir uma solução, que é possível se recuperar mesmo diante de situações bastante adversas e que, ao final da caminhada, percebe-se uma pessoa mais forte apesar do sofrimento.
E aí está a chave da questão. Nesses momentos é fundamental juntar-se com quem também está passando por dores que, embora não sejam exatamente as mesmas, basicamente são equivalentes. É onde se enxerga que não é a única, que outras pessoas já viveram ou vivem algo parecido. Neste momento, surge aquela força motriz da vontade de ajudar e de repartir a dor, a qual se tornará mais suave, menos dura, e assim vai se dando um novo sentido a essa dor, surgindo o ímpeto de transformar a própria vida.
Isto é o Coaching Integrado, processo que faz com que a pessoa que participa, ao ajudar o outro, está automaticamente se ajudando e se curando. É o sentimento de pertencer a algo mais intenso do que o sofrimento individual. É abraçar uma causa e traçar planos de ação em conjunto, para que a pessoa se torne maior e comece a se libertar.
Entretanto, é importante observar que a resiliência diz respeito à criatividade, ajudando cada um a procurar saídas fora da caixinha, enxergando através do outro os seus próprios problemas por outras janelas.
O ser humano não nasceu para encarar suas grandes dores isoladamente, então, de cara, não se cobre muito, peça ajuda, ouça o outro e, principalmente, sinta que você não é uma ilha, podendo ser ajudada tanto quanto ajuda.
Então, a resiliência é um convite para enfrentar a situação, e não fugir dela. A dor, dentro da vida, hora ou outra aparece e, neste instante, procurar ajuda é uma forma de amenizá-la. Você a terá, mas só ficará com ela se quiser. Concorda?
É difícil, claro que é! Ninguém ousa dizer que não. O primeiro passo é reconhecer que não dá para percorrer qualquer caminho difícil sem antes olhar para dentro de si e constatar o que se está sentindo. No entanto, o que fazer com o medo, esse sentimento muito forte que dói, sangra?… E o que os outros vão pensar?
Procure enfrentar esse medo comunicando a sua dor, primeiro para você e depois para os outros, mostrando para si própria que, nesse ato, não há nada de fraqueza, pois toda pessoa tem o seu momento.

A importância do coletivo
Segundo a psicóloga Eliza M. Leão, “a boa nova é que você não precisa enfrentar esse caminho de forma solitária. O convívio com outro (desde que 100% sem julgamento) é determinante no processo de ressignificação e superação das nossas turbulências”.
Conforme diz Boris Cyrulnik: “Só conseguimos enfrentar um sofrimento e fazer com que ele seja um trabalho útil para si e para os outros depois de termos sido acolhidos por alguém”.
Sendo assim, quero convidar todos os interessados para um processo inovador de Coaching Integrado, onde me coloco como mediadora, de forma técnica e amorosa.

Por: Cândida Possebon
Profissional & Self Coach
Certificado 6097 – IBC Instituto Brasileiro de Coaching
Formação em Coaching Assessement
Formação em Coaching Ericksoniano (Hipnose)
Pelo Instituto Health Coaching
Pós Graduada em Emagrecimento
www.coachcandidapossebon.com.br
Contato: (11) 97450-7135

Compartilhar

Tags

Outros Posts