Constelação sistêmica e seus diferentes movimentos

Postado em 10 de setembro de 2019

O prazer de compartilhar.
Este ano participei de dois cursos fantásticos, sempre em busca de ferramentas diferenciadas, as quais me habilitaram a ajudar o outro dentro do processo de coaching. Após algumas leituras sobre Bert Hellinger (codificador de Constelação Sistêmica) fui pesquisar a respeito. Então, descobri o quanto a constelação apresenta uma ampla visão do sistema, aplicada em todas as áreas da vida, tais como: a constelação familiar (a mais procurada), na psicopedagogia, no direito, na organização social, na empresa e outros mais. Enfim, o que mais me encantou em todas essas ordens sistêmicas foi justamente o “novo olhar” sobre pessoas, negócios e empresas, de modo geral sobre “gente”. Sim, todos nós neste mundo acelerado, onde as buscas são infinitas, buscando, o mais assustador, onde está a tal de “felicidade”?
Quem sabe se nosso olhar for um “novo olhar” para a vida, para a família e para o trabalho.
Então, quando nós devemos parar e perguntar: “para quê”?
Diante desta reflexão ponderamos: o que podemos fazer de melhor em nossas decisões e em nossas gestões?
Nesse mundo hiper conectado e impactado pelas constantes mudanças, o conhecimento sistêmico é, sem dúvida, uma valiosa ferramenta, e daí surgem as perguntas: Do que uma família precisa, ou a sociedade precisa, ou a empresa precisa? É através da constelação que vamos enxergar que, além de uma liderança clara, é necessário ter metas e objetivos sociais bem definidos, e para que tudo isso aconteça existem três leis fundamentais: 1) a hierarquia; 2) o pertencimento e 3) o equilíbrio.
1) A hierarquia – Você é o chefe, o pai, o dono, porém, cuidado com uma relação distorcida ou patológica: “Manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Observe aqui o poder pessoal e o poder da posição.
O poder pessoal é uma energia interna legítima e permanente que nos torna capazes de influenciar outras pessoas, tendo sempre um olhar sensível e generoso diante das mudanças que são constantes em nossas vidas.
O poder de posição é infindável e nunca deixará de existir, o “problema” é o uso que se faz dele.
2) O pertencimento – é um dos mais fortes instintos humanos. Pertencer é fundamental, assim como respeitar esta lei da natureza, pois, para que qualquer organização (familiar, social e empresarial) funcione, é importantíssimo que cada qual se sinta “pertencente” a ela, desde os mais simples até os maiorais. Todos têm o igual direito de “pertencer”.
3) O equilíbrio – é o sinônimo da máxima: “é dando que se recebe”. Quanto maior for o equilíbrio melhor será a prosperidade em todos os sentidos, em todas as áreas: familiar, social e empresarial.
Enfim, uma relação equilibrada é quando as partes compartilham mutuamente, dando e recebendo aquilo que cada uma é capaz, sendo uma relação que promove o amadurecimento, a liberdade e o bem-estar.
“A maioria das vezes não precisamos de um novo caminho, precisamos apenas de uma nova forma de caminhar”. Bert Hellinger

Por: Cândida Possebon
Pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching
– Profissional & Self Coach – Certificado 6097
– Formação em Coaching Assessment
– Formação em Coaching Ericksoniano (Hipnose)
Pelo OMINI – Thairon de Souza Brasil
– Formação em Hipnose Clínica
– Formação em Constelação Familiar
Pelo Laboratório de Talentos (Parent Coaching Brasil)
– Formação em Conflitos e Dinâmicas Familiares
Pelo Instituto Professora Silca Malutta
– Complementação em Constelação Sistêmica
www.coachcandidapossebon.com.br
Contato: (11) 97450-7135 / 3754-5773

Compartilhar

Outros Posts