A constelação familiar e a mãe

Postado em 13 de maio de 2020

“A forma como tratamos a nossa mãe é a forma como nos colocamos na vida”. “O sucesso tem a face da mãe”. Bert Hellinger
Entende-se como sucesso ter um relacionamento afetivo amoroso, uma relação saudável com o dinheiro, uma conquista de objetivo, um realizar-se, um sentir-se seguro, e quando isto se emaranha é porque não tomamos a nossa mãe no coração.
O que isso significa: tomar a mãe dentro das leis sistêmicas da Constelação Familiar? É aceitá-la sem julgamento e com amor no coração, independentemente de como tenha sido a nossa criação, a nossa história, a nossa relação, o nosso sentimento de ser ou não amado(a) suficientemente, se fomos ou não castigados(as) e preteridos(as) ou, até mesmo, abandonados(as).
Porém, não há como dizer sim à vida sem a nossa aceitação materna, ou seja, sem dizer sim à nossa mãe.
A vida nos foi entregue, queiramos ou não, através da mãe, pois nascemos de suas entranhas, de sua carne. Nosso corpo foi forjado em seu ventre através dos alimentos ingeridos por ela e pelo fornecimento do oxigênio que nos manteve vivo. Por fim, todo nosso ritmo de vida foi, em última análise, nos dado pelos nossos pais, mas quem sempre teve a grande chave da vida guardada em seu cofre (útero) foi a mãe. Para que possamos nascer, verdadeiramente nós precisamos da decisão (autorização) de alguém, daquela que coloca tudo em risco por uma nova vida, onde ela abre um espaço para formar dentro dela cada pedacinho – que é o sistema único e insubstituível – que só será possível pela decisão deste alguém, ou seja: a nossa mãe que, desde sempre, nos deu e nos dará a condição de compartilhar a vida. Por isso fica claro que “o sucesso tem a cara da mãe”, visto que, depois que nascemos, a mãe nos entrega para o mundo como seu grande projeto. Ela sempre vai olhar para aquela criatura com um amor enorme, como um pedaço dela que jamais se esquecerá e, na contrapartida, nós, às vezes, a esquecemos.
A mãe sempre dá para seu rebento as condições para que se estruture e siga em frente, e é Ela que mostra o caminho para criarmos o nosso projeto dentro de nós. E que projeto é esse? É cada um de nós. A mãe é a que diuturnamente pensa na sua criança.
E o que ela quer em troca disso? Nada! Apenas que o projeto dela floresça, se torne grande e se concretize. E esse projeto tem um nome: o nosso nome. Então, a mãe tem a cara do sucesso? Tem. A mãe é a prosperidade pura? É. A mãe é a força de trabalho por 24 horas? É.
A mãe é quem nos doa para a vida, para o trabalho e para a história, sendo, cada um de nós, o maior projeto de sua mãe. Somos esse fruto que ela colocou no mundo e, se fizer sentido para todos, vamos fazer o melhor que pudermos para honrarmos essa dádiva que é a vida, a qual nos foi dada por nossa mãe.
E assim convido todos a tomarem suas mães verdadeiramente como elas são: com suas qualidades e seus defeitos; com suas forças e suas fraquezas, e, quando conseguirmos fazer isso, aí sim poderemos afirmar: “De fato, o meu sucesso, a minha prosperidade e o meu trabalho é a cara da minha mãe. Quando eu tomo minha mãe eu entendo e vivo todas essas coisas.
Bert Hellinger declara esta fala sistêmica:
“- Querida Mamãe. Eu liberto você de todas as minhas expectativas. O que recebi de você foi mais do que suficiente. O que recebi de você foi o mais importante: a vida”.

Por: Cândida Possebon
Pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching
– Profissional & Self Coach – Certificado 6097
– Formação em Coaching Assessment
– Formação em Coaching Ericksoniano (Hipnose)
Pelo OMINI – Thairon de Souza Brasil
– Formação em Hipnose Clínica
– Formação em Constelação Familiar
Pelo Laboratório de Talentos (Parent Coaching Brasil)
– Formação em Conflitos e Dinâmicas Familiares
Pelo Instituto Professora Silca Malutta
– Complementação em Constelação Sistêmica
www.coachcandidapossebon.com.br
Contato: (11) 97450-7135 / 3754-5773

Compartilhar

Tags

Outros Posts