Alopecias e Terapia Capilar

Postado em 2 de maio de 2019

É evidente que o cabelo não possui nenhuma função vital para os seres humanos, todavia sua relevância psicológica é completamente imensurável. Estima-se que o couro cabeludo tenha cerca de 100 a 150 mil fios de cabelo e que o crescimento deles se faça em torno de 1 cm por mês, com variação entre as áreas do couro cabeludo, havendo uma queda de 60 a 100 fios por dia. Uma perda maior que essa ou a ausência da reposição adequada dos fios podem determinar o aparecimento de quadros de alopecia (calvície). A Alopecia Androgenética (AAG), Andro – Ação dos Andrógenos, Genética – Herança Poligênica, é a forma mais comum de perda de cabelo em ambos os sexos.
Não sendo considerada uma doença, e sim uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, levando à “queda dos cabelos”, ocorre por ação do DHT (hormônio derivado da testosterona), e se caracteriza pelo encurtamento progressivo da fase anágena (fase de crescimento dos fios), quando os folículos geneticamente predispostos são gradualmente miniaturizados, observando-os mais finos, curtos e menos pigmentados.
Para o tratamento das alopecias, se faz necessário um tratamento multidisciplinar. O terapeuta capilar é um profissional preparado, que conhece as patologias do couro cabeludo, bem como os produtos e aparelhos a serem aplicados durante a terapia.
A terapia capilar é um conjunto de ações terapêuticas, que combina técnicas manuais, aparelhos e cosméticos que visam manter a saúde do couro cabeludo e fibra capilar. O tratamento capilar passa por algumas fases, dentre elas a avaliação com a ajuda de um tricoscópio digital, que permite a visualização de até 300 vezes maior o fio do cabelo, dermatite e folículo piloso. Com a avaliação é possível traçar qual tipo de tratamento será necessário, o tempo e a quantidade de sessões que devem ser feitas.
Depois da avaliação, o tratamento é iniciado de fato, podendo este ser feito com ativos adequados para cada situação, bem como tecnologias como Fototerapia, Led, alta frequência, carboxiterapia, entre outros.
Alta frequência: Bactericida, fungicida, oxigenante, ou seja, melhora a oxigenação tissular (da pele), e estimulante, pois há aumento da circulação sanguínea.
Carboxiterapia: Consiste na administração ou infusão por via subcutânea do anidro carbônico medicinal (gás carbônico ou CO2) puro, cujo objetivo é promover intensa vasodilatação local com aumento do fluxo sanguíneo, promovendo aporte de nutrientes e oxigenação tecidual.
Óleos essenciais: São naturais, possuem propriedades terapêuticas, agem como substâncias metabólicas, facilitam as funções do sistema imunológico.
Fototerapia: Tem a capacidade de aumentar o fluxo sanguíneo no couro cabeludo, trazendo mais nutrientes e oxigênio para os cabelos, também remove ao mesmo tempo as toxinas, que levam à queda capilar. Estudos demonstram que o laser de baixa potência provoca um estímulo do ATP (fonte de energia das células), resultando em um aumento da multiplicação celular da raiz do cabelo, aumentando a velocidade de crescimento dos fios e melhorando a densidade dos cabelos.

Andressa Jácomo
Crefito- 3 /149542-F
Fisioterapeuta Dermatofuncional
Terapeuta Capilar – Formada pela Academia Brasileira de Tricologia
Contato: (11) 99544-9684

Compartilhar

Tags

Outros Posts